x
Este site utiliza cookies. Ao continuar a navegar no nosso website está a consentir a utilização de cookies. Saiba mais
GALERIAS
Nos Primavera Sound
Nos Primavera Sound
No Parque da Cidade, no Porto
Ver arquivo de galerias
DESTINOS
Filipinas: um destino em crescimento
Filipinas: um destino em crescimento

O pretexto para conhecer Manila foi dado pelo ASEAN Tourism Forum, um encontro que os países do sudeste asiático promovem todos os anos para acertar agulhas quanto às estratégias de turismo. As Filipinas não são um destino evidente para muitos portugueses, nem para lazer, nem para incentivos, mas isso está a mudar.

Sete mil ilhas para descobrir! Uma delas é Palawan, um dos principais destinos das Filipinas e muito responsável pela curiosidade que o país hoje desperta em termos de turismo. Em 2014 e 2015, a conceituada publicação Condé Nast Traveler considerou Palawan a melhor ilha do mundo e em 2013 já tinha alcançado esse título, atribuído dessa feita pela Travel + Leisure Magazine. Se fizer uma pesquisa de imagens no Google por Palawan vai perceber o porquê desta eleição. A ilha tem 650 km, mas a maioria dos visitantes ruma a El Nido e Coron, por causa do snorkeling e do mergulho. As águas cristalinas, o alojamento diversificado (cinco estrelas e o mais económico), o bom tempo, o rol de actividades disponíveis, fazem deste um destino a ter em conta para lazer, mas também para incentivos.

event point

Outro destino concorrido é Cebu, que foi a primeira capital das Filipinas e é uma das zonas mais desenvolvidas do país, cultural e economicamente. Esta cidade possui um centro de congressos, o Cebu International Convention Center e no ranking da ICCA figura em 198º lugar do mundo, em 2014, com 12 eventos internacionais. No ranking regional Ásia‑Pacífico e Médio Oriente alcança a 43ª posição. A cidade de Cebu tem uma vida cultural agitada, um património rico e, bem perto, maravilhosas praias de areia fina e mar transparente. Mas é a capital, Manila, a principal cidade para eventos e congressos. Em 2014 ocupava a 108ª posição em termos mundiais e 23º lugar em termos regionais. Em termos de espaços para eventos, a cidade disponibiliza várias opções: o Araneta Coliseum, o Centro Cultural das Filipinas, o Philippine International Convention Center, World Trade Center ou SMX Convention Center. Hotéis e outros espaços multifacetados complementam a oferta local.

O turismo, onde se inclui o de negócios, é uma prioridade para o país. Arturo Boncato Jr., do Turismo das Filipinas, destaca o crescimento do número de turistas em 2015 e de retorno económico deste sector. No ano passado chegaram a este país 5,36 milhões de visitantes internacionais. Os mercados de proveniência principais são: Coreia do Sul, Estados Unidos e Japão. Na Europa o primeiro país emissor para as Filipinas é a Alemanha. De 2008 a 2015 o crescimento médio foi de 8%. Hoje,um em dez empregos no país estão afectos ao sector turístico.

event point

As Filipinas ainda não são um destino evidente em Portugal, talvez por não serem tão em conta como os vizinhos do sudeste asiático, mas isso pode e está a mudar, com a inclusão da oferta nos portfólios das agências de viagem e incentivos. A segurança é uma questão importante, e está presente em todos os hotéis, nos centros de congressos, nos shoppings, onde nos revistam sempre que entramos. Os responsáveis do turismo, afirmou Arturo Boncato Jr., estão a trabalhar com o governo para melhorar a segurança. Em 2016 estão preparados novos investimentos em questões de acessibilidades. Mas também em termos de promoção, incluindo um programa de branding que vai dar sequência ao mote “It's more fun in the Phillipines”.

event point

Turismo de compras

Os Filipinos adoram centros comerciais. Aliás, o domingo é o dia de reunir a família e ir ao shopping. Há vários por onde escolher em Manila, incluindo o maior da Ásia, e Makati, onde parece que há um em cada esquina. Em todos estão presentes as grandes marcas internacionais. Para quem gosta de fazer compras, a capital das Filipinas é uma boa opção.

Intramuros

É o principal ex‑libris da cidade de Manila. E para tornar tudo mais divertido pode apanhar um jeepney, uma espécie de jipes/autocarros e experimentar como se locomovem os locais. Há milhares de jeepneys a circular em Manila, cada um mais colorido do que o outro. O preço é absolutamente irrisório e a simpatia dos Filipinos vai com toda a certeza deixa‑lo desarmado. Além disso é uma bela maneira de ir percorrendo a cidade que, como as suas equivalentes asiáticas, é caótica (provavelmente até mais). O que impressiona é a paleta de cores. Entre o preto e branco há uma miríade de cores e em Manila vemos (quase) todas. Chegamos a Intramuros, e confirmámos que o nome não engana. Trata‑se de uma zona muralhada, erguida pelos colonos espanhóis, e que foi o centro dos interesses de nuestros hermanos na Ásia. As muralhas têm 4,5 quilómetros cercando uma área de 64 hectares com residências, palácios, escolas e edifícios governamentais. Não se pode negar, aqui há muita pobreza, muita gente a viver na rua, muitas casas a cair de velhas, por vezes um autêntico murro no estômago.

Mas recuemos uns séculos, até à época de Fernão de Magalhães. Sim, foi um português quem descobriu as ilhas das Filipinas, às ordens da Coroa espanhola. Os primeiros povoadores vieram na expedição de Miguel López de Legazpi, em 1565. E os espanhóis por lá ficaram durante três séculos. Intramuros está pejado de marcas desta passagem e tivemos a oportunidade de conhecer um exemplar de casa colonial, hoje um pequeno museu, testemunho da época. Nos adros das igrejas localizadas em Intramuros, a primeira impressão é a de que estamos na Península Ibérica. O calor húmido sufocante e a fisionomia dos crentes tratam de nos chamar à realidade. E já que falamos de igrejas, dizer que a Catedral de Manila e a Igreja de San Agustin são Património Mundial da UNESCO e vale a pena conferir o porquê. Continuamos até à Casa Manila, um exemplar de casa colonial espanhola transformada em museu. Aqui é possível ter um vislumbre do estilo de vida espanhol em 1800. Em frente ao edifício há sempre várias charretes (calesas), cujos donos se vestem como nesta época.

Manila Hotel

As Filipinas começaram, então, uma nova vida, com um novo colonizador, sem adormecer a vontade de libertação. Um dos maiores símbolos da presença americana é o Manila Hotel, que começou precisamente a ser planeado em 1898. Foi inaugurado em 1912, no dia da Independência dos Estados Unidos (4 de Julho). O evento foi um acontecimento social único na época. Como curiosidade, dizer que ao jantar foi servida carne assada americana, lagosta filipina e champanhe francês.

Em 1935 chega às Filipinas o General Douglas MacArthur (figura importantíssima na Segunda Guerra Mundial) para organizar o exército local. Fica instalado, juntamente com a mulher e o filho, no Manila Hotel. Foi‑lhe dado o título honorário de “Director‑Geral”, mas ele levou‑o muito a sério, participando das reuniões e basicamente assumindo a gestão da unidade. Ainda hoje existe a suite MacArthur, mas infelizmente não conseguimos visitá‑la.

Colonizador número três: o Japão

A invasão das Filipinas por parte dos japoneses começou umas horas depois do ataque a Pearl Harbor e custou a Intramuros grande destruição. Durante três anos, os nipónicos ocuparam, de forma violenta, as Filipinas. Foi um velho conhecido de Manila, o General MacArthur, quem libertou as ilhas, em 1944. Dois anos mais tarde as Filipinas tornaram‑se, finalmente, independentes.

Cláudia Coutinho de Sousa*
Viajou a convite do ASEAN Tourism Forum

FORMAÇÃO
Consultório de protocolo: moderador
Consultório de protocolo: moderador

Pergunta: Quando numa mesa de uma conferência o número de oradores é ímpar, onde se senta o moderador? CM, Lisboa

Resposta: Na maioria dos eventos em que existem painéis para debate de temas específicos, o moderador senta‑se na cadeira que se situa ao centro da mesa, distribuindo os diversos intervenientes à sua direita e esquerda, de acordo com as precedências em função do tipo de evento e de quem está presente. Adicionalmente, existe uma outra opção possível e que funciona bem, em particular quando há sofás ao invés de uma mesa propriamente dita. O moderador senta‑se numa ponta e distribui os participantes em linha, a partir da sua direita.

O Consultório de Protocolo é um espaço dedicado ao leitor. Conta com o contributo das especialistas Susana de Salazar Casanova e Cristina Marques Fernandes. A pergunta foi enviada para a redacção da Event Point e publicada na edição nº18.

NOTÍCIAS
EuBea 2016 anuncia os keynote speakers
EuBea 2016 anuncia os keynote speakers

O programa foi desenhado para inspirar agências, gestores de eventos, representantes das associações, clientes e imprensa, diz a organização dos EuBea 2016 – The International Festival of Events and Live Communication. E para cumprir o objectivo convidou Gil Petersil, da Networking Mastery Coach, Martijn Timmermanns e Tim Corporaal, do Event StoryBoard, Maarten Vanneste, do Meeting Design Institute, John Gerzem, da BAV Consulting e Becki Cross, da Events Northern. Estes oradores terão como objectivo partilhar conhecimento sobre como aumentar a eficácia dos eventos, usando soluções criativas e estratégias para mudar comportamentos. Nesta edição dos EuBea haverá, de resto, a possibilidade de marcar reuniões com os oradores, membros do júri e patrocinadores.

Mais informações sobre o programa educacional dos EuBea em www.eubeafestival.com/leadership-conference-programme.

O festival vai decorrer de 13 a 15 de Outubro, em São Petersburgo.

FEIRAS
Nova tecnologia vai melhorar sistema de reuniões da Ibtm World
Nova tecnologia vai melhorar sistema de reuniões da Ibtm World

Os hosted buyers que vão estar presentes na Ibtm World 2016 vão ser as cobaias de uma nova tecnologia de emparelhamento de reuniões. O sistema, baseado numa série de itens, incluindo os objectivos de negócio, vai recomendar quais os expositores com quem os compradores se devem reunir.

Graeme Barnett, director do evento, explica que o sistema é “semelhante ao retalho online. Estamos a olhar para as necessidades dos nossos hosted buyers e expositores, de modo a perceber de que forma podemos adicionar valor. Ao darem informação sobre os negócios e os objectivos que têm para a Ibtm World podemos emparelhar as reuniões da melhor maneira, poupando tempo e melhorando a eficácia”. O responsável sublinha a novidade deste sistema nas feiras do sector.

A Ibtm World decorre em Barcelona, de 29 de Novembro a 1 de Dezembro.

Junho, 2016
DomSegTerQuaQuiSexSáb
   1234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930  
Inquérito:
Sente que o mercado de eventos está a recuperar?
Passatempos
Revista Impressa